quarta-feira, agosto 13, 2008

A torradeira elétrica no reino encantado do mundo que dá voltinhas

... Era uma vez, num reino encantado, muitos e muitos anos atrás... um homem bom e lindo. Que cruzou a vida de Tetê como um relâmpago, numa noite que tinha tudo para ser absolutamente comum. O mundo deu uma voltinha, deu outra, e numa determinada manhã de sol, Tetê resolveu realizar um sonho: levar um café na cama para alguém especial. Para isso, utilizou um dos únicos acessórios de cozinha que dá certo com ela: uma torradeira elétrica (todos os outros acessórios são dispensáveis, pois ela não vê funções imediatas nem no forno de microondas). Ele tomou o café e voltou a dormir. E ela, atordoada, lembrou que estava atrasadíssima para o casamento de seu melhor amigo. A solução foi deixar o homem bom e lindo sozinho, ir ao casamento sonhando acordada e voltar voando para casa, onde encontrou o homem bom e lindo... ainda dormindo. Motivo suficiente para mais uma sessão de torradas, no reino encantado.

O tempo passou um pouquinho. O mundo deu outras voltinhas. Tetê levou café na cama para esse homem bom e lindo por várias vezes, sempre utilizando a torradeira e algumas fatias de queijo. Os dois perceberam que aquela torradeira estava vinculando sentimentos, e decidiram colocar um fim nesse ritual: não acordariam mais juntos. E a torradeira foi para o fundo do armário da cozinha de Tetê. Definitivamente.

Mais umas voltinhas no mundo, mais alguns reencontros entre os dois. E o assunto da torradeira sempre vinha à tona como um fiozinho que puxa o passado, a saudade e algum futuro possível. Mas sempre acabavam mudando de assunto, corados e sem graça. Em alguns momentos mais descontraídos nessas voltinhas que o mundo dá, revelavam, no entanto, que a torradeira deveria volta à vida. Onde ela andava? As diaristas de Tetê a encontravam de tempos em tempos, enroladinha, no fundo do armário. Ela era limpa, envolta num feltro cor-de-rosa e devolvida ao seu esconderijo. Ao fundo de um santuário, como um objeto sagrado.

O homem bom e lindo (lógico... o Dono da Caixa Preta. Ou o Piscina de Bolinhas) veio vindo assim, quietinho. E Tetê também foi avançando assim, quietinha. E nessas voltinhas do mundo, eles foram voltando para a torradeira. Até que, sem aviso prévio, sem planejamentos, raciocínio ou planilhas do Excel, voltaram a usar a torradeira. E as torradas e os resultados... hum... que vontade de aposentar de vez o feltro cor-de-rosa...

6 comentários:

Paulo disse...

Olha Tetê, eu daria tudo para ser o cara da torradeira no reino encantado, sabe? Nã me leva a mal, eu nem te conheço. Mas queria que minha namorada escrevesse sobre mim como você escreve sobre ele. Eu li sobre todos os homens que vocÊ escreveu. E só tem dois que parecem especiais, é esse da piscina-torradeira-caixa preta e o ator ma-ra-vi-lho-so. O resto não dá nem pra comentar.
Vou pedir pra minha namorada ler e conversar com você, quem sabe ela aprende, viu?
Abraço pra vocês dois.

Tetê disse...

Paulo... jura que sua namorada não escreve assim pra você! Pode mandar ela falar comigo que eu dou um jeitinho, ok? Quer dizer... desde que você seja tão ma-ra-vi-lho-so quanto meu ator. E quanto meu homem bom e lindo da piscina-torradeira-caixa preta, lógico! Mas se você percebeu que esses dois valem a pena, desconfio que seja um homem coerente. Portanto, manda mesmo ela falar comigo que eu te defendo, ok?
Beijos para vocês dois também.

Eliane disse...

olha só Tetê, se vc não aposentar esse feltro rosa e não se atirar de uma vez na vida desse homem eu vou entrar com uma liminar para tirar seu blog do ar. deixa de ser boba, ele parece tudo de bom. depois de tudo o que eu li aqui, acho que já passou da hora de vc ter um homão desses aí do lado. leiloa esse feltro logo, amiga!
beijo

Anônimo disse...

Ahhh Tetê Tetê eu leio e me divirto tb sabia? ... pq as evidências ... Então tem a parte romântica, gostosa de ler e ainda, de ler a conclusão, que as outras pessoas chegam. Acho que só eu cheguei a um denominador comum rsrsrs Fico feliz sabia? Esses dois mesmo são o destaque o ator ma-ra-vi-lho-so e o dono da caixa-preta, torradeira, das bolinhas coloridas rsrsrsrs É tudo muito especial, muito enigmático ou seja Hollywood pura, como vc costuma dizer muito New York!! Ahhhh vocês me matam sabiam? Parabéns, adoro ler o que vc escreve sempre, sempre sempre. Porque me identifico muito, adoro escrever , já deu pra perceber não é? Escrevo há muito tempo sobre minha vida. Só que eu tinha tudo guardado em arquivos e depois que passei a ler seu blogger, passei tudo pra cá também. Tá lindo de morrer, só que fechado a visitas, ainda rs
Bom meus lindos!!! meus queridinhos do coração , adoro vc Tetê, e cuide bem do seu amor. Acho que está na hora desse casal não se esconder mais, tá?
OK? Olha lá heim!!!
Um beijo Tetê... amiga da Tata.

Tetê disse...

Eliane... que intimada você me deu, hein? E eu amei a idéia de leiloar o feltro cor-de-rosa! Com a grana, dá pra bancar uma estadia bem basiquinha de 40 dias, ali pelos lados do Central Park! Te passo a data do leilão muuuito em breve, prometo.
Beijos da leiloeira.

Tetê disse...

Oi Tata! Quer dizer que você também tem um blog... e quando a gente pode ter acesso? Agora vou ficar aqui curiosa, que maldade! Vê se libera logo...
Beijinhos!